Sentir-se extremamente cansada sem motivo aparente. Esquecer tarefas simples. Ter dificuldade para se concentrar. Notar que o cabelo ficou mais ralo, as unhas quebradiças e a pele mais seca. Ganhar peso, mesmo quando está controlando a alimentação!

 

Todos os sintomas acima podem ser sinais dehipotireoidismo – insuficiência na produção dos hormônios T3 e T4. A doença é de cinco a oito vezes mais comum em mulheres do que em homens. Os distúrbios da tireoide surgem geralmente a partir dos 30 ou 40 anos.

 

De acordo com Osmar Saito, médico radiologista do Centro de Diagnósticos Brasil (CDB), em São Paulo, doença pode ser diagnosticada por um simples exame de sangue em que são realizadas as dosagens dos hormônios tireoidianos T3 e T4, além do TSH – hormônio produzido pela hipófise e que estimula a tireoide a produzir seus hormônios.

 

Também poderá ser solicitada a dosagem de auto-anticorpos. Quando o médico clínico ou o endocrinologista suspeitar da presença de nódulos, poderá surgir a necessidade da realização de exames complementares, como ultrassonografia, cintilografia ou mesmo uma biópsia.

 

Quanto mais cedo for feito o diagnóstico, melhor a qualidade de vida dos pacientes.

 

“Em 97% dos casos, a presença de um nódulo na tireoide não significa que a pessoa esteja com câncer. Para os outros 3%, é importante salientar que esse tipo de câncer costuma apresentar ótima evolução. Mesmo assim, pacientes com história de irradiação prévia na região do pescoço ou com histórico de doença tumoral tireoidiana na família deverão ser submetidas a uma pesquisa clínico-laboratorial e exames de imagem mais minuciosos”, diz Saito.

 

Infelizmente, nem todos os centros diagnósticos do Brasil contam com equipamentos de ponta e operadores bem treinados. Segundo o  radiologista, há casos em que é preferível se concentrar nas características apresentadas pelo ultrassom para tentar selecionar os nódulos com risco aumentado para câncer.

“O sucesso do médico que realiza a ultrassonografia da tireoide está na realização desse procedimento com equipamento sensível e transdutor de frequência apropriada. Também é fundamental ter plena consciência da história clínica da paciente e do que procurar durante o exame. Utilizar a técnica corretamente, produzir boa documentação fotográfica e descrever as alterações significativas no corpo do laudo, principalmente os critérios necessários para análise do risco do nódulo tireoidiano, são passos que certamente beneficiarão a paciente e atenderão as expectativas do médico que solicitou o exame”, diz Osmar Saito.

 

Curta e compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS