Artistas trabalham para concluir obra até o dia 25

O muralista e artista plástico faz desde o dia 14 de janeiro uma grande pintura na parede lateral do edifício Ragi, na Praça Oswaldo Cruz (número 124), no início da Avenida Paulista, em São Paulo, em homenagem ao arquiteto Oscar Niemeyer, falecido no dia 5 de dezembro do ano passado. Ele pinta um retrato de Niemeyer, com várias referências às suas grandes obras (aparecem no desenho a Pampulha, o Copam, o Museu Oscar Niemeyer e o Palácio do Planalto). A obra tem 52m de altura por 16m de largura.

dos os dias, Kobra chega ao local às 7h30 e trabalha até as 20h, ao lado de outros quatro artistas do Studio Kobra. “A obra estará concluída no dia 24 de janeiro e entregue no aniversário da cidade, dia 25”, garante o conhecido muralista que em 25 de janeiro de 2009 entregou para São Paulo o famoso muro da av. 23 de maio, em que mostra cenas de São Paulo na década de 20.

Eduardo Kobra retratou em novembro de 2012 duas obras de Niemeyer – a catedral Metropolitana de Nossa Senhora Aparecida, mais conhecida como catedral de Brasília, e a Igreja São Francisco de Assis da Pampulha, em Belo Horizonte, Minas Gerais – no grande mural que fez na Usina Termelétrica Norte Fluminense, em Macaé, Rio de Janeiro (foram ao total 12 painéis com homenagens a monumentos ou construções icônicas de dez cidades brasileiras, além de Paris –  ver detalhes sobre o mural na sequencia do release).  “As obras da usina projetei e fiz quando Niemeyer era ainda vivo. Agora, embora ele não fosse paulista, quis homenageá-lo no aniversário de São Paulo, em um dos cartões símbolos da cidade, que é a região da av. Paulista. Afinal, ele era um cidadão do mundo”, diz Kobra.

A pintura de Niemeyer e as obras na usina de Macaé se inserem na mesma da mesma linha dos trabalhos que produziu no ano passado nos EUA, com grande repercussão, quando transpôs o Monte Rushmore de Keystone, em Dakota do Sul, para Los Angeles, na Califórnia; e fez o belíssimo mural “O beijo está no ar’ em Manhattan, na região de Chelsea, conhecida por abrigar algumas das melhores galerias de arte de Nova York.

Também no final do ano passado, na Igreja do Calvário, em São Paulo, Kobra fez o mural “Viver, Reviver e Ousa”, com uma releitura do lindo monumento “às Bandeiras”, do escultor Victor Brecheret.

Para o trabalho na Praça Oswaldo Cruz, o muralista tem o apoio da Urbe Andaimes, da Galeria de Arte André (que presenta as telas do artista no Brasil), do Hotel  Ramada e do próprio Edifício Ragi (que comprou todas as tintas).   

Sobre Eduardo Kobra

O muralista e artista plástico Eduardo Kobra entregou em dezembro do ano passado o seu maior projeto até hoje! Ele fez um gigantesco painel com homenagem a monumentos ou construções icônicas de dez cidades brasileiras, além de Paris, na UTE Norte Fluminense (do grupo EDF – Electricité de France S.A), situada na cidade de Macaé, no Rio de Janeiro. O mural tem cerca de 1.300 metros quadrados (192 metros de comprimento por 14 metros de altura, a partir do chão – sete deles de área para a  pintura)  e fica na área externa das torres de resfriamento. Kobra pintou o trabalho ao lado de outros 12 artistas do Studio Kobra.  Duas pinturas, como destacamos no início do texto, mostram monumentos de Oscar Niemeyer: a catedral Metropolitana de Nossa Senhora Aparecida, mais conhecida como catedral de Brasília, e a Igreja São Francisco de Assis da Pampulha, em Belo Horizonte, Minas Gerais.

O fato da UTE ser comprometida com a questão do meio ambiente, foi fundamental para que Eduardo Kobra aceitasse realizar o trabalho. Além do seu conhecido projeto “Muro das Memórias”, Kobra desenvolve há dois anos o projeto “Greenpincel”, onde denuncia artisticamente crimes contra o planeta. “Só resolvi fazer o trabalho depois que conheci bem o projeto da UTE”, diz.

É o maior trabalho em extensão já realizado por Kobra. Antes disso, pintou grandes obras, como a Caixa d´Água no Campus Universitário do Santo Amaro, do Senac, em São Pulo, com dois mil metros quadrados;  o mural da 23 de maio, com 1.000 metros quadrados; os murais dentro do Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro, com um total de mil metros quadrados; o prédio do Senac na av. Tiradentes, em São Paulo, com 800 metros quadrados, o mural “Evolução Desumana”, em Atenas, na Grécia, com 700 metros quadrados; e, recentemente, o painel “O Beijo Está no Ar”, em Nova York, com 500 metros quadrados..

“O projeto é muito bonito. Vários outros grandes artistas de rua do Brasil e da França foram convidados para pintar paredões, tubulações e torres na usina. Os franceses foram Speedy Graphito (codinome do artista plástico parisiense Oliver Rizzo), Yann Lazoo, Shaka (Marchal Mithouard) e RCF1 (Jean Moderne). Os brasileiros foram os seguintes: Big (Bruno Carneiro Mosciaro), Ment (Marcelo Vaz Coelho), Piá (Márcio Ribeiro) e Alexandre Orion. Faze o imenso mural foi um grande desafio, especialmente por sua dimensão”, diz Kobra. “A obra é visível aos carros que passam pela BR 101”, acrescenta.

Segundo a UTE, haverá horários para a visitação dos trabalhos. A previsão é que as visitas possam ser feitas já a partir de fevereiro deste ano. Além disso, devem ser instalados binóculos em um recuo da estrada  (BR 101) para a visualização de detalhes da obra.

Kobra idealizou homenagens a símbolos icônicos brasileiros, dentro da linha do trabalho que produziu este ano nos EUA, com grande repercussão, quando transpôs o Monte Rushmore de Keystone, em Dakota do Sul, para Los Angeles, na Califórnia. Recentemente, na Igreja do Calvário, em São Paulo, fez o mural “Viver, Reviver e Ousa”, com uma releitura do lindo monumento “às Bandeiras”, do escultor Victor Brecheret.

Em Macaé, são 12 grandes painéis, dois com homenagens ao Rio de Janeiro (estado onde a Usina está situada), uma a Paris (já que a usina é francesa) e outros nove a outras capitais brasileiras. “O critério para a seleção foi estabelecido de acordo com a relevância para a história do país e, ainda, com os locais que conheço mais de perto, onde já estive pessoalmente”, conta Kobra. “Provavelmente conhecerei várias outras capitais e logo terei de fazer homenagens a outros monumentos tão importantes quanto os escolhidos agora”, completa.

As cidades selecionadas foram: Porto Alegre, RS; Brasília, DF; Belém, PA; Rio de Janeiro, RJ; São Paulo, SP; Manaus, AM; Florianópolis, SC; Natal, RN, Salvador, BA e Belo Horizonte, MG. Além disso, foi selecionada a mais clássica imagem de Paris, a Torre Eiffel, considerada um ícone mundial da França e uma das imagens mais conhecidas no mundo.

O artista brasileiro entregou no final de 2012 em Sarasota, Estados Unidos, uma belíssima obra em 3D, “O Circo”, no Sarasota Chalk Festival, grande festival de arte de rua.  Kobra fez uma homenagem ao Ringling Brothers Circus’ (http://www.ringling.org/), um dos principais circos do mundo, que é de Sarasota. No ano passado, Kobra fez a “A Biblioteca”, escolhida como uma das 20 melhores entre os cerca de 300 trabalhos de artistas participantes (não houve um único vencedor. Os 20 melhores foram escolhidos igualmente). Este ano, Kobra teve grande destaque durante o festival.  Deu entrevistas a emissoras de TV da região e foi capa do principal jornal da cidade,  o  “Herald-Tribune Sarasota”, na edição de ontem, dia 5.  Antes de viajar para os EUA Kobra entregou,  em 30 de outubro, o mural “Viver, reviver e ousar”, de 39mX7m,  na Igreja do Calvário, na Vila Madalena, em São Paulo.

 

Curta e compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS