Crônica de Airton Gontow   Era uma madrugada fria e eu estava saindo de um desses cafés 24 horas, quando se aproximou de mim uma criança, sem nome e sem rosto: – Tio, começou a falar aquela pirralha que, com certeza, não era minha