De acordo como o geriatra Robert Butler, diretor do International Longevity Center, em Nova York, a genética determina apenas 25% do tempo de vida de um ser humano. Os outros ¾ ou 75% da vida dependem basicamente do ambiente em que vive, como a pessoa se cuida e como encara os acontecimentos. Ou seja: o amor pela vida importa sim! Diz o geriatra: “é fundamental ter interesse em viver, não parar de sonhar e fazer planos, preservar os amigos, fazer novas amizades e usufruir da vida”…

Curta e compartilhe

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS